01/06/2017

COMO FAZER DO NERVOSO UMA COISA BOA

por Dr. Noa Kageyama, publicado originalmente no blog do site The Bulletproof Musician 
Encontrei essa imagem aqui

Normalmente somos levados a crer que ficar "nervoso" é uma coisa ruim. De fato, a maioria dos conselhos que ouvi tinha como alvo a redução da ansiedade. Ao longo dos anos, tentei tudo o que podia para me livrar dos sentimentos desagradáveis ​​associados à ansiedade da performance. Tentei comer bananas, tomar chá de camomila, imaginar o público em roupas íntimas, ficar sem dormir, estudar mais, tomar vários suplementos e até mesmo tentar me convencer de que não importava como eu tocava. Nada disso, é claro, tirou meu nervoso, nem me ajudou a tocar melhor. 

09/04/2017

COMECE A AUDIÇÃO COM O PÉ DIREITO

por Dr. Noa Kageyama, publicado originalmente no blog do site The Bulletproof Musician

Usain Bolt. Foto tirada daqui.
Qual é a parte mais crítica de uma audição?

A primeira nota! No fim das contas, a primeira impressão é algo importantíssimo em uma audição, e você pode perceber mil coisas sobre um artista já na primeira nota. Infelizmente, isso também faz com que a primeira nota seja a mais difícil de uma peça. Com tanta coisa em jogo e tanta expectativa levando a este momento, a adrenalina está bombando e talvez você se sinta prestes a explodir.  

Ainda assim, quando o começo vai bem, a performance tende a continuar assim. Por outro lado, quando a primeira nota é temerosa ou tropeçamos já na largada, os músculos endurecem, os pensamentos viram uma bagunça de preocupações, perdemos o foco, e demoramos um tempo para nos recompor - isso se conseguirmos nos recompor em algum momento.

Então, como começar com o pé direito? Uma das chaves é ter uma Intenção Clara antes de iniciar.

08/02/2017

ACABE COM A HESITAÇÃO (e consiga um encontro de brinde?)

por Dr. Noa Kageyama, publicado originalmente no blog do site The Bulletproof Musician

2CELLOS - foto encontrada aqui

Quando foi a última vez que você chamou um completo estranho para sair? Não apenas qualquer estranho, mas alguém que você achava que era muita areia pro seu caminhãozinho? Qual seria sensação de considerar a possibilidade de chegar nesta pessoa e pedir seu número de telefone?

08/01/2017

O SEGREDO DAS PESSOAS MUITO BEM SUCEDIDAS

por Dr. Noa Kageyama, publicado originalmente no blog do site The Bulletproof Musician


Rapidinho, faça uma lista das pessoas mais bem-sucedidas e realizadas que você conhece. Sério, pare para pensar em 3 a 5 pessoas que você conhece pessoalmente que estão bem estabelecidas em suas carreiras.

Agora, faça uma lista das pessoas mais inteligentes e talentosas que você conhece.

As duas listas são idênticas? Eu aposto qualquer coisa que não são.

01/11/2016

O LADRÃO DE BISCOITOS

por Dr. Noa Kageyama, publicado originalmente no blog do site The Bulletproof Musician


O ladrão de biscoitos: um poema* sobre quão distraídos podemos ser e quão errados podemos ser.


foto encontrada aqui
O LADRÃO DE BISCOITOS
por Valerie Cox

Uma mulher estava esperando em um aeroporto, uma noite, com muitas longas horas antes de seu vôo. Ela foi à caça de um livro nas lojas dali, comprou um saco de biscoitos e encontrou um lugar para se sentar.

Ela estava absorta em seu livro, mas viu que o homem sentado ao seu lado, tão atrevido quanto poderia ser… catou um biscoito ou dois do saquinho entre eles, o que ela tentou ignorar para evitar uma cena.

Ela mastigava os biscoitos e observava o relógio, enquanto o intrépido ladrão tratava de diminuir o estoque de biscoito. Ela foi ficando cada vez mais irritada com o passar dos minutos, pensando: "Se eu não fosse tão legal, quebrava a cara dele."

25/09/2016

COMO EU AQUEÇO - JACQUELINE CHOI + BELA HORVATH

Jacqueline Choi.
Foto do arquivo pessoal
Jacqueline Choi é uma violoncelista coreana-americana, solista, participa de inúmeros projetos e séries importantes de música de câmara, inclusive com Itzhak Perlman. Estudou em algumas das melhores escolas dos Estados Unidos: New England Conservatory, Juilliard e Manhattan School of Music. Acabou de começar uma residência artística com o Euclid Quartet na Universidade de Indiana South Bend, onde dá aulas e palestras.

Bela Horvath. Foto do
arquivo pessoal.
Ela tinha topado um encontro via skype para essa entrevista. A entrevista com Bela Horvath seria em outro momento. Mas aí me fizeram uma surpresa: estavam os dois lá do outro lado da tela, e a entrevista foi conjunta, o primeiro Como Eu Aqueço duplo do blog! 

Mas, pera, quem é Bela Horvath? É um violinista húngaro, também ele solista e camerista internacional. Em 1999 Bela foi o competidor mais novo do concurso Carl Flesch, ficou em 4o. lugar e ainda por cima faturou o prêmio de melhor interpretação da peça composta especialmente para aquele concurso. Estudou na Academia Franz Liszt de Budapeste, e depois Pinchas Zukerman o convidou para ser seu aluno na Manhattan School of Music. Bela também foi professor da Manhattan e do Instituto Heifetz. 

E esses são os queridos entrevistados dessa edição de Como Eu Aqueço.

03/07/2016

VOCÊ É INSUBSTITUÍVEL? [parte 2]

por Dr. Noa Kageyama, publicado originalmente no blog do site The Bulletproof Musician

Leia a parte 1 deste post aqui.

achei a foto aqui

Na parte 1 deste post eu sugeri que nós devemos, a nós mesmos e ao nosso público, uma resposta à pergunta “Por que alguém deveria pagar para me ouvir tocar?”. Eu também insinuei que todos nós somos capazes de respondê-la, encontrando nosso nicho e nos tornando
insubstituíveis. Naturalmente, isso nos leva à questão de como...

14/05/2016

VOCÊ É INSUBSTITUÍVEL? [parte 1]

por Dr. Noa Kageyama, publicado originalmente no blog do site The Bulletproof Musician
ARE YOU IRREPLACEABLE? [part I]


Assinatura do Heifetz num cartãozinho
Foto encontrada aqui
Eu tinha uma aula na pós-graduação que tratava do lado comercial de perseguir uma carreira musical. Era uma aula ótima, mas forçou muitos de nós a encarar a realidade da indústria da música de uma forma que nunca tínhamos feito antes.

Em um dia particularmente memorável, o professor começou a aula fazendo uma pergunta simples, mas direta, que silenciou a sala. No meu entender o silêncio significava que ninguém tinha uma resposta, ou que ninguém tinha coragem de falar sua resposta na frente de todo mundo.

Qual foi a pergunta?

28/01/2016

COMO ACABAR COM FALHAS DE MEMÓRIA

por Dr. Noa Kageyama, publicado originalmente no blog do site The Bulletproof Musician


Ter um branco no meio de um concerto é provavelmente uma das coisas mais constrangedoras que podem acontecer a um músico. Para muitos artistas esse é o aspecto que mais deixa nervoso em performances ao vivo. E nem mesmo os melhores estão imunes a problemas de memória - ficamos sabendo de grandes concertistas que cometem alguns deslizes desse tipo ao longo do tempo.

Eu tive minha cota de brancos, é claro, desde a versão menos embaraçosa (dar um branco em um pequeno concerto informal) até o verdadeiramente humilhante (perder-se em uma peça solo de Bach na segunda fase de uma competição internacional). No entanto, quando eu era estudante, eu nunca aprendi a memorizar música. Ou, mais especificamente, eu nunca desenvolvi um sistema confiável para memorizar música.


10/12/2015

O BEIJO DA MORTE E COMO EVITÁ-LO

por Dr. Noa Kageyama, publicado originalmente no blog do site The Bulletproof Musician
THE KISS OF DEATH AND HOW TO AVOID IT

“No balls, no blue chips.”
(ditado americano que quer dizer: sem ousadia, sem prêmio máximo)


Esse ditado pode ser um pouco grosseiro, mas vem de um pôster da “Lei de Murphy” que eu tinha na faculdade e passa uma mensagem importante.

(Para quem não se lembra da Lei de Murphy, é aquela “lei” bastante pessimista que diz que se algo pode dar errado, vai dar. Esta lei prevê que a outra fila sempre anda mais rápido, que você sempre vai encontrar o que procura no último lugar que olha, e que as chances de um pedaço de torrada cair com o lado da manteiga/geléia/nutella para baixo é diretamente proporcional ao preço do tapete.)

17/11/2015

COMO EU AQUEÇO (E OUTRAS COISAS) - ESZTER LESTÁK

Eszter Lesták. Foto: Mózsi Gábor
Entrevista por Helena Piccazio


Em junho de 2015 Eszter Lesták veio com a Orquestra do Festival de Budapeste de apresentar em São Paulo na temporada de concertos Cultura Artística. Tive o prazer de ser intérprete na masterclass de violino que ela deu na EMESP, que foi ótima. A entrevista que segue foi feita logo depois, e conversamos desde aquecimento até preparação para testes.


Helena Piccazio - Vamos começar falando sobre aquecimento?

20/10/2015

NOVE FONTES DE FRUSTRAÇÃO NA SALA DE ESTUDO

por Dr. Noa Kageyama, publicado originalmente no blog do site The Bulletproof Musician

Foto extraída daqui
Alguma vez você já terminou o estudo e saiu da sala se perguntando se não acabou de desperdiçar algumas horas da sua vida? Sentindo que você aplicou o tempo, mas não tem certeza se (quando muito) tem algo para mostrar?

Um dos fatores primários que podem ditar a eficiência e eficácia das sessões de estudo é a concentração (ou a falta dela).


Lembre-se deste artigo, que diz que a chave para a maestria é o estudo deliberado. E o ingrediente chave no estudo deliberado é a capacidade de pensar com clareza e propósito. Repetição mecânica é fácil - já o estudo deliberado e o verdadeiro aprendizado, por sua vez, exigem grande concentração e foco.

31/08/2015

AS HISTÓRIAS DO MAESTRO - JACQUES DELACÔTE, parte 3

Uma selfie com o Maestro Jacques Delacôte.
Entrevista por Helena Piccazio.

Maestro Jacques Delacôte veio a São Paulo para reger a ópera Eugene Onegin, de P. I. Tchaikovsky, no Theatro Municipal, em maio e junho de 2015. Durante os ensaios ele nos divertiu contando algumas histórias. Ótimas, adoramos! Daí veio a ideia de entrevistá-lo.

Leia aqui a Parte 1 desta entrevista

CARLOS KLEIBER E MARIA CALLAS 2

24/08/2015

AS HISTÓRIAS DO MAESTRO - JACQUES DELACÔTE, parte 2

Jacques Delacôte,
foto do site oficial
Entrevista por Helena Piccazio.

Maestro Jacques Delacôte veio a São Paulo para reger a ópera Eugene Onegin, de P. I. Tchaikovsky, no Theatro Municipal, em maio e junho de 2015. Durante os ensaios ele nos divertiu contando algumas histórias. Ótimas, adoramos! Daí veio a ideia de entrevistá-lo.

Leia aqui a Parte 1 desta entrevista
Leia aqui a Parte 3 desta entrevista

JON VICKERS, A BRIGA

JD - Nessa turnê, que aconteceu em Seul, na Coreia do Sul, eu tive uma briga com Jon Vickers.

HP - A do Sansão e Dalila, essa mesma turnê?

17/08/2015

AS HISTÓRIAS DO MAESTRO - JACQUES DELACÔTE, parte 1

Entrevista por Helena Piccazio.


Jacques Delacôte, foto do site oficial

O Maestro Jacques Delacôte veio a São Paulo para reger a ópera Eugene Onegin, de P. I. Tchaikovsky, no Theatro Municipal, em maio e junho de 2015. Durante os ensaios ele nos divertiu contando algumas histórias. Ótimas, adoramos! Daí veio a ideia de entrevistá-lo.

Marcamos de nos encontrar às cinco e meia da tarde. Ele me recebeu com o sorriso simpático de sempre e tirou do bolso um papelzinho cheio de anotações: “tentei lembrar de umas histórias, tem essa, aquela, fiz a minha lição de casa!”

01/08/2015

O TROPEÇO NO PERFECCIONISMO.

ou NÃO LEIA ISTO SE VOCÊ É UM PERFECCIONISTA.

por Dr. Noa Kageyama, publicado originalmente no blog do site The Bulletproof Musician
DON'T READ THIS IF YOU ARE A PERFECTIONIST



Russell Crowe no filme "Robin Hood", de 2010. Foto: David Appleby - © 2010 Universal Studios

Nós todos sabemos que a música não é um exercício de perfeição técnica, e que o objetivo não é só tocar mais afinado e mais “perfeitamente” que a outra pessoa, mas é muuuito difícil deixar de lado esse desejo de performances “de Notas Perfeitas - especialmente em audições e competições.


Mas olha só isso: paradoxalmente, um dos principais ingredientes para o sucesso em performances/audições (e um desempenho "perfeito") é deixar de lado essa fixação por perfeição.


Quê? Isso me parece ao contrário.



10/07/2015

MEDITAÇÃO DE THAÏS

Cabelos curtos bem pretos e enroladinhos, alta, sorriso largo e a voz que a língua húngara deixa levemente estridente. Foi o que vi quando olhei para Leila Rásonyi ao chegar na Academia de Musica de Budapeste para conhecê-la. Uma imagem que foi ganhando  intensidade com o passar das aulas de violino.

Leila Rásonyi, que em 2005 era professora na
Academia de Música Franz Liszt de Budapeste.
Falante e cheia de histórias, começou contando a origem do próprio nome: “Meu pai era pesquisador de cultura turca. Não só, mas turca principalmente. Por isso meu nome, não é húngaro, é turco. E sabe quem deu a ideia? Bartók.” Arregalei os olhos. “Sim, o compositor. Ele e meu pai estavam juntos quando eu ainda estava na barriga da minha mãe, e foi ele que sugeriu. Ele também gostava de cultura turca.”


O encantamento de Leila Rásonyi estava presente não apenas nos ensinamentos e nas histórias, mas em tudo que a cercava. Era muito bom olhar para os tapetes pendurados nas paredes da sua casa, descobrir os muitos livros misturados aos objetos trazidos de um pedaço mais pra lá do Leste Europeu que deixavam o ambiente tão acolhedor e único quanto ela.

17/06/2015

DO OUTRO LADO DA VIRADA

Foto: Helena Piccazio
Matéria originalmente publicada no blog Arte Free em São Paulo em 2013

Por Helena Piccazio

Saí de casa no meio da tarde de sábado e já era possível sentir a cidade vibrando. Muita gente na rua, equipes se deslocando, palcos sendo montados nas esquinas, ruas fechadas. No metrô, a mesma agitação, pessoas se debruçavam sobre seus folders escolhendo a programação. Assim que saí na estação Anhangabaú e fui em direção ao Theatro Municipal, tomei um susto: uma fila dava  voltas e voltas no prédio do teatro e se misturava à multidão que perambulava pelo centro em busca dos eventos da Virada Cultural.

"Será que é pra gente?", pensei.

03/06/2015

O QUE GRAMADOS BONITOS E O ESTUDO TÊM EM COMUM.

por Dr. Noa Kageyama, publicado originalmente no blog do site The Bulletproof Musician
WHAT BEAUTIFUL LAWNS AND PRACTICING HAVE IN COMMON



Me disseram que há duas estratégias básicas para cultivar um gramado livre de plantas daninhas. O método óbvio é pegar uma garrafa de herbicida e matar todas as ervas daninhas que encontrar no caminho. Claro, o que sobra no fim é um monte de pontos marrons mortos com pequenas manchas de grama triste preenchendo as lacunas.

O outro método envolve trabalhar para encorajar a grama a crescer mais saudável, forte e espessa, no fim ela vai se sobrepor às ervas daninhas e deixar menos espaço para que cresçam. Ainda tenho que ver a evidência da eficácia desta estratégia no meu próprio quintal, mas me acompanhem enquanto eu permaneço nesta metáfora por um momento.

SOMOS HERBICIDAS TREINADOS

11/05/2015

12 PENSAMENTOS VINDOS DO OUTRO LADO DO BIOMBO

por William James, publicado originalmente no blog do seu site.
12 THOUGHTS FROM THE OTHER SIDE OF THE SCREEN


Recentemente, durante uma audição para a Sinfônica de St. Louis, eu mantive um bloco de notas ao lado da minha cadeira e fiz algumas anotações que pensei que talvez sejam úteis para quem faz testes. Eles são uma combinação de sim’s, não's e de pensamentos gerais do ponto de vista da comissão. Eu sempre achei útil avaliar o meu desempenho a partir da perspectiva da comissão porque, afinal de contas, são eles que vão tomar a decisão.


1. Esteja correndo ao lado do trem antes de tentar pular dentro dele.

Ao iniciar um excerto ou solo, certifique-se o seu cérebro já está subdividindo no andamento que você quer. Se o seu tempo leva um ou dois compassos para se estabilizar, isso diz à banca que você não estava pronto para iniciar o trecho e que vai ter dificuldades com entradas na orquestra.